Tendências de marketing para a pós-quarentena

Última actualización 13 de Junio del 2020

user

Manoel Silveira

Tendências de marketing para a pós-quarentena Tendências de marketing para a pós-quarentena

Nestes tempos estranhos, tudo parece ter mudado. O espaço público e o contato social foram restringidos; pessoas e empresas tiveram que se adaptar rapidamente ao espaço digital.

Não estamos surpresos, então, ao ver que, de repente, pessoas que não imaginávamos usar videochamadas para se comunicar, agora o fazem sem mais resistência. Vários aspectos do

mercadotecnia e Marketing também foram modificados e, neste artigo, daremos a ele nossa atenção principal.

Descubra nossas ferramentas gratuitas de Marketing digital

Perdemos o medo da venda on-line?

Alejandro Terbeck na gravação de seu curso no Crehana.

O processo de transformação digital se acelerou devido à crise. Alejandro Terbeck, professor do Crehana, explica assim:

“Eu pensava que a transformação digital, que carrega toda a questão do marketing digital, seria realmente mais evidente na realidade de todos a partir da próxima geração. E o que percebo é que há muitos clientes com lojas físicas que começaram a colocar suas baterias na Internet como resultado desta crise. Muitas pessoas se viram obrigadas a perder o medo do digital por força maior.”

Dê uma olhada no curso de Alejandro Terbeck e conheça o YouTube Ads

Talvez para você, fazer chamadas de vídeo ou compras on-line não fosse estranho. A verdade é que, para muitas pessoas, esta adaptação ao digital não havia sido totalmente produzida. Seja por não serem nativos digitais ou ter dúvidas sobre a segurança deste meio, havia uma parte importante do público que ainda não tinha assumido esta mudança.

Pense nessas campanhas bancárias, por exemplo, onde são exaltados os benefícios de realizar operações on-line ou por aplicativos, e pessoas que nunca fizeram isso antes. A pandemia acelerou o processo de transformação digital e aproximou esses novos usuários dos benefícios deste meio.

 "Eles perceberam que a lucratividade que começaram a ter anunciando no Facebook, Instagram ou Google é muito boa e com muito menos risco do que ter uma loja física".

 Mais ativos nas mídias sociais do que nunca

Eva na gravação de seu curso no Crehana

As redes sociais em ebulição podem nos dar uma indicação dos comportamentos que estão ocorrendo no público. Eva Klobuznik, professora do Crehana, explica assim:

“No contexto atual, somos mais ativos do que nunca nas redes sociais. Temos mais tempo para consumir conteúdo digital, passamos mais horas na frente da tela e estamos realmente explorando novas maneiras de nos comunicar com o nosso entorno sem sair de casa. A situação implica que recebemos mais impactos de notícias e isso faz com que nos tornemos mais proativos na hora de compartilhar, de opinar e, acima de tudo, criticar qualquer notícia ou progresso durante a quarentena.”

A partir daqui, podemos obter alguns destaques da situação atual, que Eva resume da seguinte forma:

“Como grandes formatos do momento, eu destacaria as transmissões ao vivo, sejam webinars, lives no Instagram ou YouTube; videochamadas em grupo e chats on-line, como suporte durante os processos de compra. Como um grande marco, a capacidade das marcas de criar mais com menos devido à falta de recursos e possibilidades do momento. Parece que quando você não tem a possibilidade de pensar em grandes produções ou grandes campanhas e investimentos, usa mais criatividade. E isso é algo que nunca devemos perder das marcas.”

Empresas e consumidores estão dispostos a experimentar e interagir com plataformas digitais. Há algumas semanas, o artista Travis Scott e Fornite apresentaram um concerto interativo. O evento reuniu cerca de 12 milhões de jogadores, que curtiram a música do rapper com diferentes cenários surreais que o jogo ia programando. Antes não teríamos imaginado!

Este poder de convocação nos faz pensar: um futuro de campanhas interativas nos videogames on-line está chegando? Depende do público-alvo — Eva Klobuznik menciona:

 “Se nosso usuário em potencial consome cada vez mais videogames, será necessário que as marcas os valorizem como espaços de comunicação com seu público-alvo. E se querem se comunicar com seu público na mesma linguagem, é vital que incorporem recursos tecnológicos na mensagem capazes de surpreendê-los e conectá-los. Na minha opinião, não se trata de incorporar a realidade virtual às campanhas para torná-las mais efetivas, mas de construir uma mensagem mais eficaz, aplicando os recursos tecnológicos mais adequados em cada caso.” 

A abertura para o marketing digital permitiu que inúmeras empresas lidassem com o impacto negativo da atual crise global na economia. Da mesma forma, o público está mais disposto do que nunca a interagir digitalmente com marcas e os geradores de conteúdo. É o momento ideal para explorar novas propostas. O que você acha?

 

Recomendados para ti