Lições da série para começar a aplicar em sua vida

Brasil 05 de Abril del 2020

user

Manoel Silveira

Lições da série para começar a aplicar em sua vida Lições da série para começar a aplicar em sua vida

Às vezes, parece que as histórias de algumas séries se alimentam de tudo o que está "ao nosso redor", ou vice-versa. Como se você pudesse dizer: "ei, eu vivi isso". Isso já aconteceu comigo e, embora às vezes não tenha sido tão óbvio, sempre foram as emoções que me fizeram sentir conectada a um enredo específico.

A evolução das séries no nível narrativo e o crescimento dos formatos fizeram com que mais diretores e roteiristas procurassem contar realidades; muitas séries até retratam as vidas de algumas pessoas ou são 100% documentários, como as de Ted Bundy e "Em poucas palavras".

Netflix é um grande repositório para essas ideias e formatos, que encontram fortes pontos de conexão entre suas histórias e espectadores. Suas narrativas empáticas são como pequenos espelhos e referências poderosas, de fato... Por que não revisamos essas características em um tour por três de suas séries e repassamos algumas das lições que elas nos oferecem?

Quer criar seu próprio script? Comece hoje!

Sense8: estamos conectados

Sense8 nos convida a ter esta visão, a partir de 8 pessoas, 8 habilidades diferentes e, claro, 8 realidades. Existem muitos 8?

Nomi Marks, uma das personagens, deixou este pequeno monólogo da série que quero compartilhar com você:

“Estive pensando na minha vida e em todos os erros que cometi... Durante muito tempo, tive medo de ser quem eu era, porque meus pais me ensinaram que havia algo errado em ser quem eu sou, algo ofensivo, algo que eu deveria evitar... Hoje vou me lembrar de que não sou apenas eu, mas também nós.”

Enquanto Nomi fala, o grupo é visto: cada um em momentos diferentes. É fato que esse discurso era seu denominador comum, e mesmo para você, para mim e para as pessoas que estão lendo isso agora, também é. É isso mesmo, a conexão é muito possível, apesar da distância.

Mad Men: do desconforto à mudança

O que acontece quando somos confrontados com diálogos embaraçosos? Você não quer entrar na tela para dizer ao personagem que ele está errado? Sua história pessoal diz a ele: "Ei, não é assim que as coisas acontecem agora, o que você está dizendo?"

O desconforto significou muitas mudanças na história, e em Mad Men é refletido ao longo da trama e em contraste com o nosso contexto atual. Vamos destacar algumas cenas:

- Um jovem está apresentando uma ideia bastante emocional para o Donald. O que acontece? Ele a rejeita. Isso deve ter provocado uma dor no coração de qualquer anunciante.

- Uma psicóloga apresenta um estudo sobre o consumidor, que é jogado fora. Outro ataque cardíaco para a indústria hoje, não é?

- Fumava-se em todos os lugares, e grandes campanhas publicitárias incentivavam isto. E nós ficávamos imaginando o que um médico diria sobre isso.

- Não havia espaço profissional para as mulheres e, na vida pessoal, diálogos e momentos se opunham à igualdade de gênero. Quanto isso mudou?

Sem dúvida, a série convida a questionar e, através desse desconforto, visualizar as mudanças.

Nos mesmos personagens, há transformações. Um bom exemplo é Sally, que, a partir de uma rebelião superinteressante, começa a entender seus limites e práticas contra o assédio e o bullying. Incrível, não é verdade? Estou certa de que um apaixonado por publicidade, escrita, História ou Sociologia gostaria de dar uma chance a esta série.

A educação não para! Torne-se um membro Premium aqui

Atypical: a transparência e a boa comunicação

Nesta série, nos atrai a vida cotidiana e da transparência. As dinâmicas entre Sam e seu melhor amigo Zahid, e mesmo com sua irmã e família, são honestas e horizontais.

Esta transparencia es lo que hace que sus dinámicas se mantengan vivas. De hecho, cuando no existe esta característica, aparecen las fricciones.

Vamos ver um diálogo? Por um lado, Julia, a terapeuta de Sam, acredita que ele está pronto para se apaixonar. Mas sua mãe, Elsa, acredita no contrário.

Elsa:  "Os relacionamentos são intrinsecamente difíceis para os neurotípicos e eu não quero esse tipo de pressão no meu filho".

Julia: “… eles fizeram um estudo em Toronto alguns anos atrás. E descobriu-se que apenas 9% dos adultos autistas eram casados, não porque não queriam, mas porque não sabiam como fazê-lo. Seu filho quer ser amado como qualquer um de nós."

Os personagens são transparentes e comunicam assertivamente aos outros; e, se você se perguntar, sim! Atypical está na minha lista top 20, que reservarei para que possamos continuar conversando no futuro.

Faça o download gratuito deste formato de enredo e sinopse

 

No momento, recomendo que você dê uma olhada nessas séries neste fim de semana. Agora, quando você vir uma nova produção, tenho certeza de que prestará mais atenção à história e às lições com as quais você se identifica.

E se você é apaixonado(a) por escrever tanto quanto eu, convido você a rever nosso curso de redação, para nunca abandonar essa paixão. Vejo você no próximo artigo! 

 

Recomendados para ti