3 livros sobre cinema que você precisa ler!

Brasil 11 de Abril del 2020

user

Manoel Silveira

3 livros sobre cinema que você precisa ler! 3 livros sobre cinema que você precisa ler!

Muitos de nós gostam de cinema, mas realmente muito poucos leem sobre isso. A verdade é que, entre os livros que contam o processo de criação de um filme, há exemplos que se destacam. Isso ocorre porque eles transmitem com perfeição a paixão pelo ofício de seus autores. Alguns desses títulos são os de que mostro neste artigo.

1. Hitchcock/Truffaut: entrevistas

Houve um tempo em que Alfred Hitchcock não era tão popular entre os críticos em seu país. Na Europa, e especialmente na França, a situação era muito diferente. Críticos e diretores de cinema, como Eric Rohmer, Claude Chabrol e François Truffaut, viram no diretor inglês um verdadeiro herói da encenação cinematográfica. Um "oráculo", como o próprio Truffaut descreveu no livro que recomendamos agora.

“Hitchcock/Truffaut: entrevistas” foi e é um grande esforço de Truffaut para destacar o que para ele e um grande número de cineastas europeus era uma verdade absoluta: Alfred Hitchcock conseguiu como nenhum outro diretor americano chegar perto da possibilidade de expressar-se de um modo puramente visual e evocar em seu público as emoções mais maravilhosamente primitivas. Como definiram Eric Rohmer e Claude Chabrol, "um dos maiores inventores de formas em toda a história do cinema".

Enfim, era 1966 e os críticos estadunidenses não podiam deixar de ver o trabalho de Hitchcock como mero espetáculo. Então, este livro foi escrito a partir de uma entrevista de 50 horas e composto de um questionário de 500 perguntas sobre o trabalho do cineasta inglês. Parece o trabalho de um fã enlouquecido? Definitivamente sim, mas isso não importa. Truffaut realmente faz Hitchcock falar francamente sobre sua filmografia.

Faça o download gratuito deste formato de storyline e sinopse

2. Conquista do inútil

Mover um barco a vapor através de uma montanha. Para que? Só para ver se é possível e, de passagem, fazer um filme. Werner Herzog se propôs a esse desafio como parte das filmagens de "Fitzcarraldo", de 1982, que tratava de um empresário de borracha da Amazônia peruana que realizou a delirante tarefa. A verdade é que quase toda a motivação para fazer o filme veio da profunda empatia com esse detalhe e do desejo de replicá-lo a qualquer custo. Houve uma faísca irreprimível de vontade no diretor alemão, que o levaria a estrelar um dos filmes mais difíceis da história do cinema.

Herzog rejeitou os confortos logísticos fornecidos pelos cenários dos grandes estúdios e preferiu filmar na Amazônia. A partir dessa decisão, pode-se afirmar que praticamente tudo o que poderia dar errado, deu errado. Por exemplo, Jason Robards, que seria o protagonista, adoeceu de disenteria depois de filmar 40% do filme. O filme foi regravado do zero, desta vez com o conflitante ator Klaus Kinski.

"Conquista do inútil" é mais do que um diário de filmagem. É uma jornada poética pelas paisagens mentais pelas quais Werner Herzog atravessava durante as filmagens de “Fitzcarraldo”. Poucos livros de cinema nos envolvem dessa maneira, na experiência de fazer um filme.

Torne-se um membro Premium e continue aprendendo em casa

3. Dias de uma câmera

É a vez de um diretor de fotografia. Néstor Almendros trabalhou com grandes nomes do cinema, como Eric Rohmer, François Truffaut e Terrence Malick; ele ganhou um Oscar em 1978 e é considerado um mestre no uso da luz natural. Sabe-se que ele próprio operava a câmera nas filmagens em que participou e procurou ter o maior controle sobre os elementos que compunham suas imagens. Em "Dias de uma câmera", ele tenta nos transmitir a paixão por seu trabalho.

Com grande clareza, o livro mostra como é essencial que o diretor de fotografia saiba se adaptar às necessidades de cada produção e, acima de tudo, de cada diretor. Tudo isso para garantir, do ponto de vista técnico, a visão artística do realizador. Mas não apenas isso. Almendros também se incomoda em explicar sua história e o contexto social em que ele cresceu; e logo faz um passeio detalhado pelos filmes em que ele colaborou. Assim, "Dias de uma câmera" constitui um autorretrato muito bem feito de um dos mais importantes artistas e trabalhadores do cinema no século XX.

Convidamos você a conhecer nossa nova seção Trabalho Remoto

rês livros, três abordagens ao cinema. Da admiração por um professor, passando pelo drama que pode significar impor a própria vontade, até um testemunho de amor pelo trabalho técnico. Lembre-se de que, para continuar essa enorme paixão, no Crehan, temos o curso de Introdução à Direção de Fotografia..

 

Recomendados para ti