Somos bons publicitários?

Última actualización 23 de Junio del 2020

user

Jenn Cárdenas

Somos bons publicitários? Somos bons publicitários?

Todos sabemos o impacto que a publicidade tem para o consumidor e, portanto, para a sociedade. Não surpreende que muitas de nossas decisões e impulsos de compra estejam relacionados ao vínculo que a marca gera em nós.

Mas existe algo além do desejo genuíno de ser visto e vender? O que os publicitários devem fazer hoje? Durante muito tempo, a publicidade tem sido questionada por seu impacto e influência por meio da mensagem que cria nas pessoas. Nós, como publicitários, queremos derrubar essa ideia, ou, pelo menos, tentar.

Faremos isso através da mudança, transgredindo as normas e transformando nossa mensagem em um novo canal de oportunidades para inovação, conexão e, é claro, a busca por uma humanidade melhor. Se a publicidade é reconhecida o tempo todo por ser comercial, por seus objetivos e por seus clientes, isto é realmente possível? Vamos questioná-la neste artigo.

Você está interessado em redação publicitária criativa? Este curso pode ser para você

A realidade tem muitas vozes

 

A publicidade deve ser um facilitador de compras, melhorando a capacidade de tomada de decisão do consumidor, mas isso não deveria ser um meio que reforçasse estereótipos, classes ou gêneros hipersexualizados. Existem muitas marcas que estão construindo uma sociedade mais real e com menos julgamentos.

Então, ideias criativas não serão suficientes, mas, sim, ideias que andem de mãos dadas com a ética profissional e a realidade social. Por que ainda se fala em empoderamento das mulheres nas campanhas publicitárias? Porque existem muitos setores em que não há igualdade de gênero e, por meio do femvertising, procuramos romper com estes estereótipos, com os quais muitas mulheres cresceram.

Faça o download grátis do Guia do bom redator

O que podemos fazer neste espaço?

- O planejamento estratégico chegou a revolucionar a visão do publicitário. Há intenções de conhecer o consumidor por meio de técnicas de pesquisa orientadas à psicologia, antropologia e até economia. Tudo pode fazer um contraste interessante, para realmente analisar as pessoas a quem você contará uma nova história, conceito, ideia e, claro, apresentará sua marca.

- Promova o debate ,  observe as oportunidades de comunicação da marca com a qual você está trabalhando. O que pode ser adicionado ao seu discurso para torná-lo mais forte e humano? O que você pode dizer ao público para despertar uma conexão real, mais além do que ser impulsiva?

- Dê peso à sua história. Todos temos histórias para contar, e uma boa maneira de fazer isso é marcando propostas que se alinhem a elas. Se você estiver interessado em trabalhar com organizações sem fins lucrativos, envolva-se com elas em seu trabalho como publicitário. Se você foi vítima de uma situação sobre a qual sua marca deseja falar positivamente, diga em voz alta e clara.

 

O objetivo é alcançar uma associação real e, portanto, um vínculo entre marca e consumidor que possa se tornar inquebrantável.

A publicidade é má? Não, ela é necessária. E, na medida em que é necessária, a mensagem deve ser transmitida corretamente. As mensagens que estimulam a decisão de compra devem ser positivas para gerar um efeito no seu cliente, mas também no seu entorno. Aí reside a ética da publicidade e a raiz do bom publicitário nesta época.


Além da criatividade, perturbação e poder comunicativo, está a humanidade.

Para continuar aprendendo as maneiras corretas e criativas de realizar uma campanha publicitária , convido você a desenvolver o curso de Humberto Polar. Ele não apenas dará exemplos valiosos, mas também a informação necessária para você questionar a maneira como se faz publicidade e entender como precisamos muito dela para mudar.

Recomendados para ti