As regras mais importantes quando você tem uma startup

Última actualización 16 de Octubre del 2020

user

Diego Olcese

As regras mais importantes quando você tem uma startup As regras mais importantes quando você tem uma startup

Nos mais de cinco anos que venho liderando o Crehana, criei um bloco de notas, no qual, além das ideias, tenho anotado os acertos e erros que fizeram do Crehana o que é hoje.

A partir dessa lista de aprendizados baseados na minha própria experiência, hoje quero compartilhar com vocês quatro regras que considero fundamentais para iniciar uma startup.

Desde encontrar intervalos no nosso dia a dia para conhecer as pessoas que farão parte da nossa equipe, até compreender que, como líder, não será o único a lidar com as incertezas. E, por fim, ter um compromisso com sua equipe e toda sua rede de colaboradores.

Agora, vejamos item por item.

 

Acesse todos os nossos cursos com uma Assinatura Premium

 

1. Ser parte dos processos de seleção

A primeira regra tem a ver com formar uma equipe para construir o serviço ou produto que desejamos. Nesse sentido, o que aconselho é que a equipe fundadora possa participar dos processos seletivos das novas pessoas que vão ingressar, para saber se possuem os skills necessários que são exigidos para trabalhar em uma startup e, principalmente, se estão dispostas a se comprometer com o propósito que você está perseguindo.

Por exemplo, nos processos seletivos, tenho quase trinta minutos de conversa com os(as) candidatos(as) finais a uma vaga no Crehana. No entanto, sinto que muitos empreendedores preferem não se envolver nestes processos devido aos seus timings. Talvez seja melhor remarcar aquela reunião sobre produto ou marketing, para conhecer as pessoas que farão parte da sua empresa.

Temos que ter certeza de que estamos trazendo as pessoas certas, porque são elas que vão remar (como dizemos no Crehana) e deixar sua startup mais perto de cumprir seu propósito todos os dias. Sempre digo que as pessoas que trabalham no Crehana são agentes de mudança. Por isso, nos processos de hiring, nos asseguramos de ver isso nos(as) candidatos(as).

No futuro, o objetivo é que essa regra se torne escalável. Embora ainda não tenhamos a resposta de como faremos isso, sabemos que queremos construir uma equipe que seja os olhos dos olhos, para que, eventualmente, a equipe fundadora não seja mais necessária para este filtro.

Foto: Unsplash

2. Construir equipes autônomas

Um dos erros de que mais me lembro dos primeiros anos no Crehana foi que muitas das decisões que precisavam ser tomadas eram ditadas por mim, isto é, como havia muito poucas pessoas na equipe, cabia a mim a orientação exata do que deveria ser feito em todos os eixos.

Enquanto as coisas estavam funcionando duas vezes mais rápido que o fluxo natural, a dependência estava ficando cada vez maior. Então, um loop contínuo foi criado, que só começou a se reduzir à medida que adicionamos mais talentos ao Crehana.

Esta experiência me fez ver a importância de ter as pessoas certas nos lugares certos, para que elas mesmas tomem as decisões e tornem os processos dentro da empresa muito mais ágeis. Ou seja, sejam owners em vez de executores. Lembre-se de que um owner é a pessoa que torna realidade as coisas e se encarrega dos resultados dessas ações.

Embora não seja fácil no início, a ideia é construir uma equipe autônoma e empoderada desde o primeiro dia.

Foto: Unsplash

3. Saber como lidar com a incerteza

Quando você trabalha em uma startup, há muitas incertezas devido ao ambiente digital e tecnológico, que costuma ser muito mutável e competitivo. Por isso, é necessário construir uma cultura organizacional e uma equipe que responda a um ambiente de alta incerteza.

Como combater isso? Movendo-nos, executando e testando hipóteses com um norte. Hipóteses que nos permitam verificar se o caminho percorrido é o correto. Isso tem a ver com o poder de execução, de que falei em um artigo anterior. E que poderia ser resumido nesta frase: fazer as coisas certas hoje, e não perfeitas amanhã.

Temos que pensar que, ao formar uma startup, estamos construindo um produto e uma equipe que vai lidar com a incerteza. E isto deve ser visto como um catalisador, mas não como um impulso que leve ao declínio do desempenho da equipe.

 

Aprenda a se comunicar de forma eficaz com o curso Comunicação e liderança na era digital

 

4. Ter um compromisso com os stakeholders 

Se há uma palavra que deveria definir uma startup, é "compromisso". O compromisso com seus stakeholders, ou seja, seus clientes, sua equipe e seus investidores.

No Crehana, por exemplo, temos uma responsabilidade de equipe para com os estudantes: buscamos construir a melhor experiência de aprendizagem para nossos alunos. Por isso, nos desafiamos dia a dia para aprimorar esta experiência e trabalhar de forma mais produtiva para que nosso compromisso seja alcançado.

Além disso, estamos comprometidos com os nossos colaboradores, professores e mentores: demos a ele as ferramentas e os recursos financeiros necessários para que se sintam felizes por serem nossos parceiros.

Então, temos um dever para com os nossos investidores, para com as pessoas que apostaram em nós (pessoas físicas ou fundos de investimento).

 

Por enquanto, estas são as principais regras que considero vitais para que uma startup, independente de sua área de atuação, cumpra com seu propósito. O exercício diário deve ser o de nos desafiarmos: nos perguntar como a experiência que construímos pode ser melhor e como podemos trabalhar mais produtivamente.

Recomendados para ti